os vizinhos te odeiam?

sua banda Só ENSAIA USANDO PROTETOR DE OUVIDO?

você começa o show e logo fazem CARA FEIA PRA VOCÊ?

ESTA NA HORA DE REAVALIAR SUA MANEIRA DE TOCAR!

Muitas vezes, nós bateristas ouvimos reclamações sobre o assunto, afinal, a bateria é naturalmente um instrumento de alto volume. E em algumas situações, não dá pra fugir da "marretada" mesmo, como em gravações, shows de grande porte, entre outros casos. Mas em muitas (ou na maioria!) das vezes controlar o seu volume pode ser crucial para a saúde auditiva e financeira da sua banda. 

Saúde Financeira?

Sim! Afinal de contas, você pode ser o responsável por sua banda não ter vez naquele barzinho onde o dono quer um som ambiente e não uma apresentação com volume de um Rock in Rio. E se você não tem controle sobre seu volume, a culpa desse cachê a menos será sua, provavelmente.

(Vamos deixar de lado a discussão sobre casas noturnas e bares que não oferecem o mínimo de estrutura acústica, pois isso seria uma completa nova discussão...)

EQUALIZE-SE!

O que pode ser o grande vilão nessas horas é a sua mão forte, ou melhor, a mão que você usa no chimbal / prato de condução (mão direita, no caso dos destros). Tipicamente, tocamos tudo mais forte com esta mão, especialmente os bateristas iniciantes e intermediários. Porém, cada peça da bateria responde de maneira diferente. Pratos em geral, tendem a soar muito alto em ambientes não-controlados. E por terem agudos fortes, podem irritar muita gente. Você deve tomar cuidado para não usar mais força do que necessário ao manter seu groove. Afinal, o que deve aparecer num groove são as notas de caixa e bumbo, o chimbal ou condução fazem papel de preenchimento, na maioria das vezes. Resumindo: assim como um equalizador, você deve manter volumes diferentes para cada braço e perna e ainda deve variar essa dinâmica ao trocar de peças! E isso é mais difícil do que parece.

COMO CORRIGIR?

Comece identificando seu problema. Tente se gravar tocando; peça para um baterista te avaliar (amigo ou professor); comece a prestar atenção em outros bateristas (de preferência, amigos seus ou de bandas da sua cidade). Tente ouvi-los ao vivo e perceba se você ouve mais chimbal do que caixa, por exemplo. Tipicamente, tocamos a caixa mais fraca que o chimbal, simplesmente por usarmos a mão fraca na caixa e vice-versa. E este é um grande problema! 

Entendendo a dinâmica

Tem gente que acha que tocar com "dinâmica" é tocar baixo. Dinâmica é justamente a variação de intensidade. Sem variação, você não tem a referência de fraco ou forte. É como "o bem e o mal"; o "frio e o calor"; precisamos de ambos para a definição fazer sentido. E existem sinais que definem as variações de dinâmica. A origem é italiana, então usamos a palavra "piano", que significa "fraco" e "forte" que significa... adivinhe?

ppp - molto pianíssimo - muito fraquíssimo

pp - pianíssimo - fraquíssimo

p - piano - fraco

mp - mezzo piano - meio fraco

mf - mezzo forte - meio forte

f - forte - forte

ff - fortíssimo - fortíssimo

fff - molto fortíssimo - muito fortíssimo

Crescendo (< ou > ) - simboliza o aumento ou diminuição gradativa do volume das notas que estiverem sobre ou sob este símbolo.

 

exercitando!

Segue abaixo uma peça para ser tocada na caixa ou pad. Abaixo das notas, seguem as referências de dinâmica, conforme a tabela acima. 

Afim de praticar? Bom, pra isso você precisa ler um pouco de partitura. Pelo menos, conhecer figuras como semínimas, colcheias, semicolcheias e algumas pausas, assim como variações de fórmula de compasso.

Se não souber, tudo bem. Preste atenção na maneira como você toca suas músicas e se o som parece coeso aos ouvidos.

Lembre-se: a mixagem (mistura de volumes das peças) começa nas suas mãos! Não espere que alguém (técnico de som ao vivo ou em gravações) corrija por você o que está errado desde o começo! 

DICA do exercício

Como saber a força de uma nota fraca e de uma forte? Como medir isso? Estas medidas são subjetivas. você precisa distingui-las uma das outras. Por exemplo, a partitura acima começa com uma nota forte (f). Se você já descer a mão nas primeiras notas, ao fim, quando chegar ao fortíssimo (ff) você terá que partir as baquetas ao meio para ter uma variação entre essas duas dinâmicas.

Então, antes de começar qualquer leitura desse assunto, passe o olho na folha inteira e identifique quantas e quais alterações de dinâmica você terá que tocar.

Em breve, tratarei de mais assuntos relacionados a dinâmica e força, por exemplo, como bater corretamente nos seus pratos! Fique atento ao blog e bons estudos!

-Gilson

 

 

7 Comments